Eficiência Luminosa

Conceito

Eficiência (ou rendimento) luminosa é um parâmetro que indica quão eficientemente uma fonte luminosa converte a energia que recebe (por exemplo, energia elétrica) em luz. Ela relaciona o fluxo luminoso (em lúmens) [1] emitido pela fonte em relação à potência despendida para alimentá-la (normalmente medida em watts).

Fatores

Alguns dos fatores que determinarão o quanto determinado ponto será iluminado são o formato da lâmpada (por exemplo, lâmpadas compactas espirais têm aproveitamento mais eficiente da luz que as compactas tradicionais, por terem maior superfície e maior volume de gás) e o tipo de luminária (por exemplo, a utilização de folhas de alumínio como refletores na parte interna da luminária melhora o aproveitamento da luz emitida).

Mas o fator preponderante na escolha da lâmpada passou a ser a tecnologia utilizada na confecção das lâmpadas. Para iluminação doméstica e corporativa há essencialmente três tipos delas: a tradicional incandescente (com filamento de tungstênio em um bulbo de vidro com vácuo e cuja produção vai sendo gradativamente proibida mundo afora), as fluorescentes de geração mais moderna (compactas e as tubulares T5) e as lâmpadas a LED.[2]

Quanto às lâmpadas compactas, as de uso residencial têm reator integrado e as de uso comercial, reator não integrado ao corpo da lâmpada. A lâmpada com reator integrado facilita a substituição do conjunto e tem a mesma eficiência luminosa, porém pode significar um desperdício, considerando que a vida útil da lâmpada é menor que a do reator. Numa instalação comercial, onde há mais mão-de-obra disponível, é mais conveniente o uso da lâmpada compacta com reator não integrado.

Consumo, vida útil e custo-benefício

Lampadas incandescentes vao sumir do mercado - Veja SP - 04set13

Fonte: http://vejasp.abril.com.br/materia/lampadas-incandescentes (30/08/13)

Complementando o infográfico acima, temos a vida útil das lâmpadas fluorescentes tubulares pode chegar a: 

    • T10 (as tradicionais tubulares de 40 W, por exemplo) e T8 (16, 18, 32, 36 W) – 7.000 a 10.000 h
    • T5 (menores e mais modernas, de 14, 25, 28, 50 e 56 W) – 24.000 h

Quanto às lâmpadas baseadas em LED, se elas ainda têm um custo inicial elevado – que vai caindo drasticamente conforme elas se massifica a produção – sua eficiência luminosa pode chegar a três ou quatro vezes a da lâmpada fluorescente e mais de 10 vezes a da incandescente. Além disto, sua vida útil chega a ser 50 vezes maior que a da incandescente e elas permitem uma maior flexibilidade na criação de modelos de luminárias.

O ROI (retorno sobre investimento) através do uso de iluminação a LED é mais facilmente mensurável em hotéis, onde as lâmpadas costumam ficar acesas em regime 24×7 e as equipes de manutenção têm custo elevado.

Embora o ROI ainda não seja algo tão simples de se calcular em residências, devido à variedade de tipos e usos das lâmpadas, há um ganho perceptível pelo fato de que as lâmpadas a LED não provocam aquecimento do ambiente de maneira tão intensa quanto as lâmpadas incandescentes ou fluorescentes, pois o calor produzido pelo LED não está na luz emitida, mas apenas no corpo da lâmpada. E menor aquecimento do ambiente reflete-se também em maior eficiência energética.

 

[1] Enquanto a medição em lúmens se refere à quantidade de luz emitida pela fonte em todas as direções, a medição em lux avalia a quantidade de luz recebida em determinado ponto.

[2] LED é um diodo emissor de luz, é um semicondutor comumente utilizado em displays indicadores e que passou a ser aplicado também para fins de iluminação).

Anúncios

Sobre Roberto Blatt

Sou formado em Engenharia Eletrônica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (POLI-USP), tenho M.S. in Computer Systems and Information Technology pela Washington International University e MBA em Administração de Empresas pela FGV. Tenho mais de 25 anos de experiência profissional na área Administrativa Financeira, desenvolvidos em empresas nacionais e multinacionais dos segmentos automotivo, eletroeletrônico e serviços, vivenciando inclusive o start-up, dentro dos aspectos administrativos e financeiros e tendo atuado na gestão de equipes das áreas Administrativa, RH e Pessoal, TI, Financeira, Comunicação e Compras. Professor no Pós-Admn da FGV em Liderança & Inovação e Gestão de Pessoas. Para acessar meu blog com comentários e críticas sobre cinema, cliquem aqui ou, para artigos sobre Administração, Tecnologi a eresenhas de livros, em aqui .
Esse post foi publicado em Gestão da Inovação, Tendências, TI / Informática e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Eficiência Luminosa

  1. Sandra disse:

    Muito interessante, a gente (leigos) não tem idéia desses detalhes todos e que tanto ajudam a economizar….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s